Currently set to Index
Currently set to Follow
Connect with us

Celebridades

Felipe Prior é denunciado por estupro após polícia concluir inquérito

Published

on

O Ministério Público de São Paulo denunciou Felipe Prior por estupro nesta quinta-feira (6) após a 1º Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) concluir a investigação e decidir não indiciar o arquiteto. A informação foi confirmada pelo órgão ao Notícias da TV.

Uma foto de Felipe Prior

Foto: Globo

O ex-brother é acusado de estupro e tentativa de estupro por três mulheres. Os casos teriam ocorrido nos anos de 2014, 2016 e 2018, durante a realização do Interfau, jogos universitários do curso de Arquitetura e Urbanismo. O caso foi tornado público pela revista Marie Claire.

Fontes do Notícias da TV afirmam que a denúncia foi protocolada apenas com os casos de 2014 e 2018, nos quais teriam ocorrido estupro.

Na última terça-feira (4), a DDM concluiu a investigação iniciada em abril. Após ouvir as supostas vítimas, testemunhas e o acusado, a delegada Maria Valeria Pereira Novaes chegou a respectiva conclusão, que foi celebrada por Felipe Prior.

No entanto, as advogadas das supostas vítimas afirmaram que a decisão era uma “injustiça” e reforçaram que “a opinião da Delegacia não é determinante para a continuidade do processo”. A denúncia do MP foi revelada, em primeira mão, pelo jornalista Erlan Bastos, da TV Cidade, afiliada da Record no Ceará.

Acusações

Primeiro caso

Themis narra que Felipe Prior teria tentado tirar sua roupa e aberto a própria calça, deixando sua genital para fora. Como ela estava embriagada, disse que não conseguiu resistir fisicamente, mas teria dito diversas vezes que não queria ter relações sexuais.

De acordo com o documento obtido com exclusividade pela Marie Claire, Themis narra que Felipe Prior teria  reagido aos gritos dizendo “para de ser fresca, no fundo você quer, não é hora de se fazer de difícil” e, diante das negativas de Themis, insistido: “quer sim”. Neste momento, Felipe teria, supostamente, estuprado a jovem em seu carro e só parou quando a machucou.

Após o suposto estupro, Themis relatou a mãe que estava com um ferimento em suas partes íntimas e que sentia dor. “A mãe pediu à filha que se deitasse e olhou, e notou um corte de cerca de três dedos de comprimento na região genital da filha, profundo o suficiente para chegar até o músculo. A filha da declarante relatava muita dor e o sangramento estava muito intenso”, relata o documento.

Segundo caso

A advogada descreve o suposto caso como crime de tentativa de estupro, praticado em setembro de 2016, durante os jogos universitários Interfau, contra a vítima Freya (também pseudônimo). Ela descreve que Felipe Prior teria tentando conter a vítima fisicamente por meio do uso da força, mas não conseguiu e a vítima escapou.

Terceiro caso

O terceiro relato é de crime de estupro, supostamente, praticado durante os jogos Interfau em setembro de 2018, tendo como vítima a testemunha protegida sob o pseudônimo Ísis. A jovem descreve que Felipe Prior teria tentando se aproveitar de sua embriaguez para ter relações sexuais, com uso de violência física, mesmo diante do choro e gritos da vítima.

De acordo com o relato de Ísis, protocolado no documento que acusa Felipe Prior de estupro, a jovem só teria conseguido deixar o local no dia seguinte e testemunhas teriam ouvido seus gritos pedindo pra que ele, supostamente, parasse.

Quarto caso

Felipe Prior foi acusado por outra, suposta, vítima de estupro. O novo relato do suposto estupro cometido por Felipe Prior teria acontecido em 2015, no entanto, as circunstâncias e detalhes do ocorrido não foram revelados.

Felipe Prior nega acusações

Felipe Prior nega as acusações através de nota assinada por seus advogados, Carolina Tieppo Pugliese Ribeiro, Rafael Tieppo Pugliese Ribeiro e Celly F. de Mesquita Prior.

“Felipe Prior nega todas as falsas acusações disseminadas contra ele e reafirma sua inocência. Felipe Prior jamais cometeu qualquer ato de violência sexual. A equipe jurídica de Felipe Prior está empenhada e tomará todas as medidas cabíveis para refutar todas as acusações. Reiteramos: o crime que existe é cometido por anônimos que o acusam e por aqueles que difundem essas acusações, causando prejuízos à sua integridade e à sua imagem.”

Fundado em 18 de novembro de 2011, o Jornal PIRANOT é uma marca da Empresa Júnior Cardoso LTDA. Aqui, notícias de Piracicaba são prioridades. Confira tudo o que acontece de mais importante na cidade em tempo real. Jornalismo 24 horas de plantão.